Criatividade no ensino de idiomas

Por: Maria de Fátima Pereira de Almeida

“Faça isso!….Faça aquilo!…. Use este material…ensine desta maneira e pronto!!! Sua aula será maravilhosa!!!”

Será que existem receitas ou fórmulas mágicas para conduzirmos aulas de maneira eficaz? Será que instruções como estas ajudam o professor de idiomas a aprimorar suas aulas?

Por muitos anos acreditei que sim, que o simples fato de aplicar atividades descritas em livros ou por palestrantes fosse o suficiente para que meus alunos tornassem mais fluentes e motivados. Costumava usar cada ideia aprendida em oficinas ou treinamentos com bastante entusiasmo (porém, sem muito questionamento) para tornar minhas aulas mais dinâmicas, atraentes e “diferentes”. Observava colegas fazendo o mesmo e cheguei à conclusão naquele momento que aquela era a melhor maneira de trabalhar com meus alunos.

No entanto, o tempo foi passando e fui observando meus alunos com maior cuidado…Comecei a notar que aquelas fórmulas já não eram suficientes e que o meu desenvolvimento e o dos meus alunos dependia de algo muito mais profundo e duradouro, ou seja, da minha reflexão e da minha criatividade. Passei então a prestar mais atenção em materiais e palestras que motivassem o reconhecimento do que acreditamos e a percepção de nossas escolhas, o que tem me ajudado muito na elaboração de aulas e cursos.

Sei que quando estamos começando a carreira é interessante aprender alguns modelos como referência para ministrarmos aulas com coerência e qualidade; porém, acredito que esta fase precisa ser superada por outra mais interessante, onde o professor começa a colocar sua capacidade criadora em prática, e a partir daí ajudar a construir um diferencial em qualquer trabalho que se envolva.

Professores criativos estimulam alunos a serem mais criativos também. Aprender um outro idioma também requer muita criatividade, pois o aluno precisa usar as ferramentas que encontra (tais como vocabulário e estruturas) para comunicar-se em outra língua. Percebo que meus alunos mais fluentes são aqueles que sabem usar seu potencial criativo com maior desenvoltura.

Todos nós nascemos seres criativos. A criatividade é uma habilidade como qualquer outra e o que precisamos fazer é exercitá-la!!!

Percebo ao longo de minha experiência como professora de artes e inglês que ser original é mais complexo, fazer algo novo requer muita habilidade do ser humano. Entretanto, podemos compilar, adaptar atividades e a partir daí sugerir alguma coisa realmente inovadora.

O que tenho proposto em meu trabalho como consultora em oficinas pedagógicas não é a preocupação em ser “diferente” simplesmente e sim a de poder refletir sobre o que tem sido feito em cursos para que possamos observar atentamente nossos alunos e proporcionarmos momentos prazerosos em aulas através de nossa capacidade criadora.

Acredito que quanto mais usarmos nossa criatividade em nosso trabalho estaremos tendo uma participação e interação maior entre professores, alunos, coordenadores e assim poderemos dar a nossa contribuição para que o ensino de idiomas seja cada vez mais bem sucedido e significativo. O próprio espaço que a Lexiophiles oferece em seus “e-artigos” já é um exemplo de contribuição criativa.

E você? Como tem usado sua capacidade criadora no ensino de idiomas?

Professora de inglês há 30 anos formada pela FAAP em artes plásticas e inglês pela escola Cultura Inglesa com certificação internacional FCE, Oxford, Michigan e CEELT 2, pretende compartilhar sua experiência com profissionais de idiomas através de materiais, oficinas e blog www.idiomascomarte.blogspot.com.br

Contato: [email protected] 

You might also like:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*