Os 10 maiores estereótipos sexuais do mundo – Parte 1

399px-Helsinki_Samba_Carnaval_2006_Performer
Você tem alguma ideia pré-formada de como sexismo, igualdade de gênero, atribuitos corporais, conceitos e comportamentos em relação ao sexo mudam em cada país? Você já ouviu falar de alguma nação que é famosa por algum atributo em particular que é direta ou indiretamente relacionado ao sexo? Esta é uma compilação de dados sobre dez conceitos que, dependendo de cada caso, podem ou não ter razão.

A segunda parte deste artigo será publicada aqui no dia 19 de Novembro.

10 – Os países com o maior número de divórcios: Talvez haja alguma coisa na água da Europa Oriental que faz os casais enlouquecerem e se arrependerem de terem feito seus votos, porque a Rússia, a Bielorússia e a Ucrânia são os três países que têm o maior número de pessoas divorciadas por cada mil residentes – tendo a Rússia o maior número, com 5 cidadãos divorciados por cada mil (fonte: The Huffington Post).

9 – Ser gay é uma escolha: Enquanto muita controvérsia ainda circula quase toda discussão sobre direitos gays e o posicionamento político de algumas nações, não podemos negar que muita ignorância de partidos contra os mesmos também envolve tal tema. Um dos principais argumentos da oposição é que tais indivíduos são gays por escolha e podem ser “curados”. Enquanto muitos experts nos campos da genética e psicologia tentam esclarecer esta questão de uma vez por todas, até agora a explicação mais lógica tem sido que ser gay é mais uma condição que uma escolha. Muitas pessoas acreditam que ser gay é um resultado de uma educação específica e outros fatores externos, equanto alguns estudos já provaram que há genes responsáveis por tendências homossexuais. Na realidade, nós só podemos isolar a causa no dia que formos capazes de educar uma cobaia da “maneira gay”, voltar no tempo, educá-la da “maneira heterossexual” e comparar os resultados. Então, tal presunção só pode ser errada porque não há maneira possível de se provar correta.

Anime_Girl.svg
8 – Mulheres Japonesas não são de verdade: Esta é mais uma questão cultural que sexual, mas como os Japoneses são conhecidos por preservar bastante seu espaço pessoal, isto também se traduz em uma maneira bastante estereotipada em como mulheres Japonesas geralmente se comportam. As maneiras delicadas, a linguagem corporal, evitar expressar sua própria opinião e as escolhas de moda delas as coloca em uma posição onde elas são vistas por pessoas de outros cenários culturais como seres quase perfeitos e extremamente irreais, às vezes sendo comparadas como bonecas ou personagens de ficção.

7 – O Brasil é só sexo: É realmente difícil dissocias a fama que o Brasil tem de ser um país onde é fácil encontrar sexo depois de ser conhecido principalmente pelo seu carnaval – uma festa de permissividade e quebra de limites. Neste ponto, seria correto afirmar que o Brasil é um país onde visitantes se dão bem quando vão apenas pelo turismo sexual – por mais que os Brasileiros gostariam de discordar. As mulheres Brasileiras merecem ser reconhecidas pelas suas palavras e atos, mas a repercussão que estes atos ganham quando seu ato é de dançar praticamente nua em frente a uma câmera é bem maior que quando uma Brasileira publica um livro ou se gradua em um mestrado.

6 – Ser estrangeiro é sexy: Na grande maioria dos casos, esta hipótese é completamente verdadeira. Pelo bem ou pelo mal, estrangeiros são considerados objetos sexuais quando eles viajam a um país com uma cultura extremamente diferente da que eles estão acostumados, e isto é uma questão mais cultural que sexual – pelo simples fato de que qualquer coisa que é diferente tende a nos causar mais fascinação do que o que é ordinário. Você pode perguntar isso a qualquer Latino Americano que já viajou para a Europa, ou qualquer Europeu que já esteve na África, e assim por diante.

Compartilhe conosco nos comentários se você é contra ou a favor destas declarações, e fique ligado na segunda parte deste artigo semana que vem.

[English]

You might also like: